9 de fev de 2010

Cotas: questão estrutural ou conjuntural?


Discussões dento de campos de visão unilaterais sobre as chamadas Políticas de Ação Afirmativa são travadas todos os dias por membros da sociedade brasileira. Existem diversos questionamentos, entre eles os que mais se destacam são: o ferimento do direito constitucional da igualdade - que diz que todos são iguais perante a lei, a subordinação de negros e índios a uma política que reafirma a sua suposta inferioridade e o confronto de afirmações entre os que dizem que as cotas são medidas fixas e os que exigem que elas sejam temporáreas - tendo assim um praso para que se encerrem, certamente visualizando o avanço na educação, em um perído de médio/longo praso, promovendo assim a maior igualdade, de fato.

O que me faz usar o termo "unilaterais" no começo desse texto é o fato de uma grande maioria não observar que enquanto as cotas se estabelecem cada vez mais, a educação pública de base no Brasil vai de mal a pior. Índices revelam uma queda nas taxas de analfabetismo e um relativo aumento no número de crianças nas escolas. Mas o que é ensinado a esses jovens? Será mesmo que a educação que é destinada a estes forma efetivamente cidadãos capazes de formular idéias e opniões além das que lhe são impostas ou estamos diante - e porque não dentro - de um celeiro de analfabetos funcionais que continuam enxugando gelo?

Esse olhar "multilateral" é o que me faz refletir que necessitamos de "vacinas" contra a pandemia que assola a educação básica no Brasil, e não apenas "curativos". As políticas afirmativas devem - ou pelo menos deveriam - caminhar lado a lado com o avanço na educação pública. Não sou contra as cotas sociais - contudo, não apoio de modo algum as raciais - mas creio que a medida, do modo que está sendo tomada, progride em um sentido que se desliga completamente da essência da idéia de igualdade promovida por essa iniciativa. Para não nos limitarmos as minhas opiniões, resolvi postar uma nota bastante interessante que li esta semana escrita por um especialista baiano respeitado no assunto, com quem concordo plenamente.

por
Toni Caldas

3 comentários:

  1. Belo texto esse! É bem legal divulgar as ideias de outras pessoas tb, cria uma diversidade interessante!
    Abraços!

    ResponderExcluir