24 de abr de 2010

Transes e pílulas

Primeiro é o centro da mente que, como uma fornalha, bafora em brasas as ideias antes tortuosas. A fala balbuciada que a princípio era veloz se embrandece e extravasa agora como um riacho lento e sinuoso. A fluência como um todo começa a ser muito mais sagaz, frequente e menos nítida, é quase impossível controlar as belezas que fluem das gargantas ou narinas. As exatidões, antes simples, dominadas ainda na infância, são agora inquietudes das mais tenebrosas.

Os olhos foram aposentados a fim de anular o contato com os tons que a pupíla, antes negra e dilada, podia vir a ter, e ao passo disso, atrapalhar no zarpar das suas âncoras do substrato chamado de "mundo real". A vontade de morrer e viver se confundem em meio a um mal-estar que aterrisa no pensamento.

O peito, pulsante e incontrolado, atiça suas contrações tentando se mostrar vivo. Água e vento são companheiros das distorções harmonicas e saem completamente do lugar-comum em que foram convencionados.

A carne agora poderia ser talhada por navalhas e eu nada sofreria. O espírito vagara por entre os cosmos, mergulhando e se perdendo em buracos negros... Ele já não se importava com qualquer que fosse o dano que aquele mero mortal sofresse por conta da insolência de atear com sua delgada língua à deusa cor-de-rosa...

Toni Caldas

2 comentários: