6 de ago de 2010

Bilhetinho

Um singelo baquete sobre as nuvens do desejo
Uma bela, querida, o poder do despreso

No sentido do vento, o saber sagrado
Nas tardes quentes de agosto
O nascer, teu afago

Sabes tu que já sou nuvem assim, passageira
Em tua vida corrida, coisa assim tão faceira

Não te dedicos o mal, tampouco o bem das minhas saudades
Apenas entrego ao teu eu os tracejos de minhas mensagens

T
oni Caldas

Nenhum comentário:

Postar um comentário